terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

EU QUERO PAZ


Entenda, é tudo novo pra mim. Nunca precisei tanto de alguém como preciso de você, nunca desejei tanto um sorriso como desejo o seu, nunca esperei tanto por um beijo como espero pelo seu. Eu nunca fui tão eu mesma como sou com você. Perdão se às vezes meu jeito infantil de reagir te assusta ou te incomoda. Repito, é tudo novo para mim. Sinto-me uma criança confusa diante desse sentimento, sinto-me frágil diante do medo de te perder, sinto-me pequena diante da perfeição que a cada dia descubro em você, sinto-me cega diante da luz e magia que flui naturalmente dos seus olhos e do seu sorriso. Eu não sei o porquê de tudo isso. Não compreendo a imensidão do meu desejo. Desculpe pela infantilidade que te amar despertou em mim. Só agora eu sinto que a minhas asas eram maiores que as dele, e que ele se contentava com o ares baixos: eu queria grandes espaço, amplitudes azuis onde meus olhos pudessem se perder e meu corpo pudesse se espojar sem medo nenhum. Queria e quero — ainda. Voar junto com alguém, não sozinho. Mas todos me parecem tão fracos, tão assustados e incapazes de ir muito longe. Talvez eu me engane, e minhas asas sejam bem mais frágeis que meu ímpeto. Mas se forem como imagino, talvez esteja fadado à solidão. Ainda que faça tanto tempo, eu ainda me lembro do seu cheiro e sinto falta dele no meu corpo inteiro, e eu, às vezes não entendo o meu coração, que insiste em algo que nunca vai me fazer bem, e não é porque eu não quero mais e sim porque isso não faz mais brilhar os meus olhos, o melhor agora é fechar as portas pra você. De tanto gostar de você, hoje, pela primeira vez na minha vida, eu acordei mais feliz, mas a claridade dos seus olhos não é mais interessante, e tudo que vem deles é tristeza, medo e dor e eu estou ficando distante pra você. De repente parece que ninguém mais sabe como fazer para ser feliz, uns querem dinheiro, outros querem amor, eu quero é PAZ! E ainda hoje quando você me olha eu sinto um congelar dos pés até a cabeça e nada fica no lugar em mim, nem a minha razão nem meu coração. E eu não sei mais por onde eu começo a deixar as coisas que eu sinto por você irem embora de uma vez, e não é o jeito que eu me sinto, mas é como eu fico quando você se afasta de mim. E não é um abraço forte em noites solitárias que me fará sentir, eu preciso muito mais de você do que você precisa de mim, e quando todas as suas esperanças de ser feliz vão embora, então você lembra de mim. Então, a gente podia se encontrar um dia desses para relembrar e celebrar o tempo em que todos nós éramos felizes.

CAIO FERNANDO ABREU

Nenhum comentário: