segunda-feira, 1 de outubro de 2012

TARDE DEMAIS

"Ele gostava tanto dessas palavras que começam com in – invisível, inviolável, incompreensível – que querem dizer o contrário do que deveriam. Ele próprio era inteiro o oposto do que deveria ser. A tal ponto que, quando o percebia intratáve
l, para usar uma palavra que ele gostaria, suspeitava-o ao contrário: molhado de carinho. Pensava às vezes em tratá-lo dessa forma, pelo avesso, para que fôssemos mais felizes juntos. Nunca me atrevi. E, agora que se foi, é tarde demais para tentar requintadas harmonias."

CAIO FERNANDO ABREU

Nenhum comentário: